Blog Veja Agora | Com Junior Araujo - Notícia com veracidade dos fatos

Deputado Wellington denuncia péssimas condições de trabalho dos funcionários da FUNAC/MA e cobra explicações de Flávio Dino

Sorimar Sabóia Presidente da Funac

Durante seu pronunciamento na Assembleia Legislativa na manhã desta quarta (29), o deputado estadual Wellington do Curso utilizou a tribuna para denunciar as péssimas condições de trabalho na Fundação da Criança e do Adolescente do Maranhão – FUNAC/MA em que os funcionários são submetidos. De acordo com as denúncias, agentes trabalham em condições insalubres e não recebem adicional, não há espaço adequado para descanso, não há equipamentos de proteção individual e a segurança dos trabalhadores é precária.

Ao denunciar as condições de trabalho da FUNAC/MA, o parlamentar lamentou a precarização do trabalho dos agentes que atuam na instituição, fato que motivou a decisão arbitrária que alterou a escala de trabalho dos funcionários que tiveram seu descanso prejudicado e jornada de trabalho prolongada.

“Recebemos diversas denúncias de trabalhadores que atuam na FUNAC/MA sobre as péssimas condições de trabalho na instituição. São relatos de monitores, auxiliares, supervisores, auxiliares de serviços gerais, cozinheiras e cozinheiros da FUNAC que exercem suas atividades em condições perigosas e insalubres e não recebem adicional por isso, que não tem espaços adequados de descanso, não tem equipamentos de proteção individual e são contratados de forma precária, sem qualquer direito assegurado. Como se não bastassem as péssimas condições de trabalho, a presidência da FUNAC/MA com orientação de Flávio Dino publicou uma portaria alterando a escala de trabalho dos funcionários de 12x60h para 12x36h, o que diminuiu consideravelmente o tempo de descanso desses trabalhadores. Essa alteração é ilegal e foi feita de forma arbitrária, sem qualquer diálogo ou acordo. É a portaria da maldade! Agora, essas pessoas não têm a quem recorrer, pois o Governo do Estado e a presidência da FUNAC tomam as decisões de forma arbitrária, sem se preocupar com a qualidade de vida dos funcionários. Diante disso, iremos tomar todas as providências e acionar o Ministério Público do Trabalho para que sejam assegurados os direitos desses trabalhadores. Funcionários efetivos, contratados e comissionados da FUNAC, contem com o meu apoio, contra essa Portaria da Maldade, Portaria Maquiavélica”, disse o deputado estadual Wellington do Curso.

Urgente!!!! Rebelião na Funac

As rebeliões na Funac estão cada vez mais constantes, em menos de 48 horas ocorreram duas rebeliões, domingo (08) na unidade do São Cristóvão, e ontem (10) na unidade de Ribamar.

Na rebelião do São Cristóvão, um educador acabou ferido por um menor que o atacou para matar, segundo fontes no momento a excelência  Dr. Costa Juiz da Vara estava fazendo uma visita na unidade. O funcionário se encontra hospitalizado.

O descontrole nas unidades da Funac está passando dos limites e a presidente Sorimar Sabóia segue totalmente omissa e preocupada em abafar os conflitos que ocorrem na Fundação.

Diante de tanta insegurança e com o intuito de preservar suas vidas, o BLOG recebeu a informação de que funcionários da unidade Maiobinha pretendem parar os serviços enquanto sérias medidas não forem tomadas. Decisão muito acertada, pois a Funac não dá nenhuma garantia de segurança aos seus funcionários.

O BLOG VEJA AGORA tentou entrar em contato com a presidente Sorimar Sabóia, mas não teve êxito, o que já era esperado.

Escândalo!!!! Internos incendeiam colchões e Administração da Funac tenta passar imagem mentirosa, mas o caos está instalado

A Funac está entregue a Deus dará e ninguém toma nenhuma providência, o BLOG recebeu informações de que ontem (02), internos incendiaram alguns colchões e não permitiram que os educadores entrassem nos alojamentos para apagar o incêndio, iniciando uma série de arremessos de objetos contra os funcionários.

Constantemente os educadores são ameaçados e até mesmo agredidos pelos internos; muitos desses funcionários têm manifestado total desânimo em trabalhar na Funac, pois a instituição não dá garantias de segurança e nem de proteção aos seus trabalhadores.

Enquanto isso, a presidente da Fundação, Sorimar Sabóia, tem outras preocupações em mente, já que se preocupar com a integridade física dos seus funcionários não gera mídia e nem atenção para a mentira que ela quer espalhar pelos quatro cantos.

É inacreditável o que está acontecendo na Funac, os socioeducadores não sabem mais que métodos aplicar para tentar ajudar esses jovens, pois a todo momento eles andam armados com xuxos , e dona Sorimar ignora a situação completamente levando os internos para passear e banhar de piscina, não afirmamos que isso não faça parte da ressocialização mais a imagem que passa é que a Funac estivesse a mil maravilhas.

Os funcionários são os únicos que padecem, além de ter seus direitos trabalhistas negados com pagamento de salários pífios, estão expostos a grandes riscos, além das ameaças que sofrem todos os dias dentro da Fundação. Os novatos que entraram, não conseguiram passar 20 dias, e quem consegue passar desse período, está com sérios problemas psicológicos.

As autoridades precisam ter conhecimento e tomar sérias medidas diante da situação degradante que se encontra a Funac.

Áudio comprova que Funac demite funcionários sem justificativa

Sorimar Sabóia (Presidente da Funac)

 

O BLOG VEJA AGORA apresenta provas de que a Funac realmente tem realizado contratações ilícitas, em que o servidor é admitido sem nenhum vínculo empregatício, seja por carteira assinada, contrato ou cargo comissionado.

Um ex-funcionário entrou em contato com BLOG VEJA AGORA, afirmando que foi  desligado das atividades da Funac sem nenhuma explicação através de mensagem do Whatsapp, uma ligação telefônica comprova que o funcionário é colocado para fora da Fundação sem levar benefício algum, nem férias, nem nada (ouça o áudio).

 

Queremos ver agora a presidente da Funac, dona Sorimar Sabóia, aparecer na mídia desmentindo um fato que está mais do que comprovado. A Funac contrata e “descontrata” funcionários sem garantias ou benefícios, quando o servidor faz algo que desagrada a direção (dar com a língua nos dentes), ele simplesmente é descartado de forma inescrupulosa.

Presidente da Funac manda demitir funcionário em pleno tratamento psiquiátrico

Sorimar Sabóia ( Presidente da Funac)

A presidente da Funac, Sorimar Sabóia, além de administrar a instituição de forma irresponsável, anda mostrando que também não tem escrúpulos. O BLOG VEJA AGORA recebeu informações de que o ex-funcionário da Fundação, Paulo Sérgio Quadros Guida da Silva, foi demitido pela presidente enquanto o mesmo fazia tratamento psiquiátrico.
O funcionário adquiriu tais problemas por conta das humilhações e pressão psicológica praticada por seus superiores da Funac. O ex-funcionário trabalhou durante sete anos no local, sendo quatro como motorista e três como monitor, mas isso não foi levado em consideração.

A justificativa da direção da Funac para mandar Paulo Sérgio embora foi de que o mesmo passou 30 dias sem apresentar nenhum atestado médico, fato esse que foi desmentido, pois na época o atestado foi repassado para o seu superior Luziano, via Whatsapp, pois o funcionário estava com covid-19. “Não tive nenhum tipo de defesa, estou desempregado e sem dinheiro para comprar meus remédios, tenho todos os laudos”, disse o ex-funcionários, de 29 anos.

A conversa de Whatsapp comprova que Paulo Sérgio enviou o atestado médico ao seu superior, fato negado pela Funac, que deu um fim no atestado para insistir na falsa justificativa de o rapaz não comprovou os seus problemas psiquiátricos.

Contra fatos não há argumentos, o que dirá Sorimar Sabóia após essas provas? Vai querer negar a lamentável atitude de colocar na rua um funcionário com problemas e que dependia do emprego para custear os seus medicamentos? Mau-caratismo, isso não tem outro nome.

Veja Agora as imagens:

Laudo médico

Termo de Desligamento

Presidente da Funac Sorimar Sabóia, mente ao dizer que contratos de funcionários são feitos de forma legal

Sorimar Sabóia Presidente da Funac

A presidente da Funac, Sorimar Sabóia, se manifestou após veiculação da matéria sobre o escândalo dos cargos comissionado e “contratados” a mesma também tentou intimidar o titular do BLOG VEJA AGORA, ao afirmar que providências legais serão tomadas, sendo que a própria está totalmente fora da lei com a sua forma esdrúxula de administrar uma instituição.

Em nota divulgada pela  presidente, ela mente dizendo que a instituição possui cargos efetivos, comissionados e contratados que ingressam na Fundação por meio de processo seletivo com análise de currículo, entrevista, provas escritas, curso de formação e treinamento, no entanto, já foi comprovado que os tais cargos não cumprem os procedimentos legais. Apenas uma simples conversa e os funcionários já iniciam os trabalhos, sem análise curricular, sem assinatura de contrato e um mísero curso de três dias.

As contratações são feitas por afinidade, o famoso QI, totalmente o oposto do processo seletivo da Seap, realizado de acordo com a lei, com a realização de seletivo, análise curricular, prova de títulos e inúmeros treinamentos.

Existe uma declaração da senhora Sorimar a respeito do TJ-MA, em que a mesma sai em defesa das assistentes sociais que trabalhavam de forma gratuita em órgãos públicos, a mando do Tribunal de Justiça. “Essa é uma situação absurda, quase 300 assistentes sociais aprovadas no concurso, muito trabalho para desenvolver, vaga sobrando e o TJ quer obrigar nossas colegas de outros órgãos, que nada têm haver, a dar conta do serviço e pior, sem acréscimo algum”, havia dito.

Pimenta nos olhos dos outro é refresco, não é mesmo? Hoje, de acordo com denúncias em relação a  Funac, a presidente faz exatamente o oposto. Pois além dos funcionários não possuírem contrato, ela entrega um “contracheque” sem assinatura em um papel qualquer. Pela classe dos concursados ela lutava bravamente, mas por seus funcionários da Funac já provou que está se lixando.

O mais interessante é que na nota emitida pela assessoria, a presidente não explica por que no Portal da Transparência consta no salário dos servidores o valor de mais de R$ 9,800 mil e no papel entregue como se fosse um “contracheque”, tem apenas R$ 1,600, em consta os funcionários como autônomos Cadê a explicação?

Quem conhece Sorimar Sabóia lembra muito bem quem ela foi, uma mulher destemida, que militava pelo PSOL e lutava por direitos, a Sorimar de hoje não parece nem de longe o que foi no passado, hoje ela deixa seus funcionários a Deus dará porque a ganância tomou proporções maiores do que o senso de justiça de antigamente.

O BLOG também teve conhecimento de que na Funac existe um tal sindicato de funcionários, que segue omisso e se calando diante dos abusos e absurdos da presidente Sorimar, seria medo ou rabo preso?

Reiteramos que o BLOG VEJA AGORA não se intimida com ameaças da presidente Sorimar Sabóia, vamos continuar investigando e publicando todas as denúncias de irregularidades que chegarem até nós, malandragem aqui não tem vez.

Escândalo na Funac: BLOG denuncia forte esquema de corrupção envolvendo contratações ilegais

Sorimar Sabóia Presidente da Funac

O BLOGA VEJA AGORA teve acesso a documentos que comprovam que a instituição Funac, está envolvida em um forte esquema de contratações ilegais dos seus funcionários. Não basta a presidente Sorimar Sabóia e seus capangas humilharem os servidores dia e noite pelos corredores da instituição, no Portal da Transparência consta uma série de irregularidades nas contratações dos mesmos.

No Portal há funcionários recebendo valores de mais de R$ 9,800 mil, mas o papel recebido pelos servidores consta o valor de apenas R$ 1,600, não há contracheque, muito menos assinatura de recebimento, os trabalhadores recebem um papel qualquer que não é aceito em lojas, eles também não têm direito a cargo comissionado e nem assinatura de carteira de trabalho.

No tal “contracheque” recebido pelos servidores, eles são tratados como autônomos, portanto, as humilhações sofridas pelos servidores da Funac englobam todas as esferas, tanto no tratamento e ameaças de irem para a rua, quanto na falta de direitos trabalhistas e pagamento vergonhoso.

Na Funac também não há critérios para contratação dos funcionários, o necessário é apenas uma ligação, uma assinatura de papel e a pessoa já está contratada. Será que o Governador Flávio Dino tem ciência deste escândalo que ocorre na instituição? O que a presidente Sorimar e seus capangas querem tanto esconder? O BLOG está atento e em breve publicará mais denúncias.

Confira Agora:

Presidente da Funac pratica assédio moral para tentar esconder problemas graves da Instituição

Sorimar Saboia presidente da Funac

Perseguição, assédio moral e demissões, assim tem sido a realidade vivida pelos servidores da Funac, que há muito tempo anda sem rumo. Quem não seguir as regras da presidente, a coronel Sorimar Saboia, é imediatamente desligado da instituição, saindo sem receber nenhum centavo. O BLOGA VEJA AGORA recebeu informações de que, recentemente, adolescentes se rebelaram e tocaram fogo em vários colchões, reivindicando seus direitos, os educadores tiveram que apagar as chamas com baldes de água porque os extintores estavam vazios.

Internos já fizeram um agente sócio educativo de refém provocando revolta nos servidores que, além de não trabalharem de forma segura, têm seus direitos trabalhistas desrespeitados. Em outra situação, internos escreveram o nome do juiz da Vara da Infância, Dr. Costa em um Chucho.

“Vivemos em um contrato que não existe direito e agora mais essa, será que irão fazer alguma coisa quando um pai de família for assassinado?!”, esbravejou um servidor que não quer ser identificado.

O coordenador geral de segurança, Alexandre, fez uma reunião com alguns servidores em tom de ameaça, e afirmou que os mesmos devem ficar calados, além de serem proibidos de comentar sobre os problemas da Funac, ameaçando-os de demissão.

A administração quer a todo custo a omissão e o silêncio dos servidores diante dos fatos e da situação lamentável da Funac, os servidores pedem que o governador Flávio Dino, Ministério Público e OAB interfiram nesta triste realidade.

Veja Agora os Materiais encontrado na revista