ocupa um gabinete na prefeitura para organizar os seus eventos particulares. Sem nenhuma cerimônia
Blog Veja Agora | Com Junior Araujo - Notícia com veracidade dos fatos

ESCÂNDALO!!!! Prefeitura de Coroatá é usada como escritório para organização de festas particulares

Em meio a grave situação sanitária que passa o Maranhão em razão da COVID-19, em Coroatá a situação chega a ser um escárnio.

Após o prefeito liberar geral e afrouxar todas as medidas de enfrentamento da pandemia, agora o prédio onde funciona a prefeitura está servindo como escritório para organização de festas particulares.

Em dias úteis, e até em finais de semana, o produtor de eventos Edimar Rios, mais conhecido como Marola, ocupa um gabinete na prefeitura para organizar os seus eventos particulares.

Sem nenhuma cerimônia, stories divulgados no Instagram mostram Marola na prefeitura imprimindo ingressos e recebendo produtores de eventos da região para organizar sua próxima festa, com o cantor Victor Fernandes.

Nas imagens aparece o também produtor de eventos Wildeglan Sousa que diz: “Não tem dia pra trabalhar não. Esse aqui é o Marola, o homem que manda em Coroatá”.

Daniel Veras, funcionário da prefeitura que também aparece nas imagens reforça que “o trabalho não para. Hoje é sábado. Impressão dos ingressos do Victor Fernandes”.

Sem ser funcionário do Município, Marola goza de uma amizade estreita com o prefeito Luís da Amovelar Filho, sendo o vencedor de diversas licitações na cidade. Há quem diga até que os certames são direcionados para favorecer o amigo.

A cidade, a 260 km de São Luís, é a única do Maranhão administrada pelo PT.

Desconsiderando todos os impactos causados pelo coronavírus, a crescente ocupação de leitos no único hospital do município e as demandas por insumos hospitalares, o prefeito Luís da Amovelar Filho simplesmente fecha os olhos e libera geral as aglomerações na cidade.

O uso da estrutura da Prefeitura de Coroatá para organização de shows particulares se enquadra em vários crimes, entre eles: desvio de finalidade, dano ao erário e improbidade administrativa.